JUSTIFICAÇÃO

1. A Associação Nacional de Professores é uma organização profissional de docentes, não sindical, de âmbito nacional, fundada em 1985 e declarada de Utilidade Pública em 1991, que tem contribuído de forma saliente, através da sua acção, para o crescimento científico e pedagógico docente e para a inovação das respectivas práticas pedagógicas, ciente de que, por essa via, empresta um contributo significativo para a melhoria da qualidade da educação.

De entre os objectivos plasmados nos seus estatutos, destacam-se, no que concerne particularmente à formação: i) Promover a formação, qualificação, valorização e desenvolvimento científico, pedagógico, didáctico, cultural, social e profissional dos educadores de infância e dos professores; ii) Lutar pela melhoria da qualidade do ensino e da aprendizagem, e pela dignificação do professor e da carreira docente. Para a sua concretização nomeiam-se, também em sede estatutária, designadamente os seguintes meios de acção: i) criação e dinamização de entidades, estruturas, equipamentos, organismos e outros meios especialmente vocacionados para a formação e investigação, no domínio da educação e do ensino, designadamente a fundação de instituições de ensino vocacionadas para a formação de professores, como Universidades e Institutos; ii) organização e realização de acções de formação e de informação de iniciativa própria ou em colaboração com outras instituições e organismos nacionais e internacionais.


 

2. O Centro de Formação Leonardo Coimbra constitui o instrumento formal de concretização dos objectivos enunciados e tem hoje consagração normativa concreta no quadro estatutário da Associação Nacional de Professores. Estásedeado em Braga, nas instalações da sede nacional da Associação Nacional de Professores, estando assim plenamente integrado na sua estrutura orgânica activa e tem vindo a disponibilizar a milhares de docentes um leque diversificado de oferta formativa e informativa que induza a uma reflexão crítica sobre o papel decisivo que lhes cabe, por direito e dever, na educação das crianças e jovens do nosso país.

O âmbito nacional que lhe é inerente determina uma grande complexidade organizativa, mormente quando se está em presença de uma estrutura com âmbito nacional e que procura abranger um leque muito diversificado de formandos do ensino público e do ensino particular e cooperativo. No entanto, a qualidade e o rigor aplicado na formação realizada tem sido determinante para uma procura sustentada da mesma e para o reconhecimento dos serviços que presta.

3. As acções de formação a desenvolver destinam-se prioritariamente a pessoal docente, podendo abranger também pessoal não docente.


 

4. Nesse sentido, os Planos de formação são estruturados com o propósito de responder, designadamente: i) ao disposto no Estatuto da Carreira Docente e no Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores; ii) às prioridades educativas estabelecidas pelo Ministério da Educação; iii) às necessidades formativas específicas dos docentes e/ou inventariadas pelas escolas; iv) às evoluções científicas e tecnológicas; v) à necessidade de formação nos domínios científicos, pedagógicos e didácticos, orientada para o desenvolvimento das competências dos docentes nas suas áreas de docência e tendo presente as alterações no âmbito curricular; vi) à diversidade de características e necessidades das crianças e jovens com necessidades educativas especiais; vii) à necessidade de reforçar a capacitação dos docentes na integração e generalização das Tecnologias de Informação e Comunicação no processo educativo.

O Plano de Formação (acreditada) é complementadopor um leque diversificado de outras acções de formação (não acreditada) e informação, a implicarem complementarmente o Centro de Formação Leonardo Coimbra, que se prendem com a organização e funcionamento do sistema educativo, com as políticas educativas e as inovações pedagógicas e organizacionais em curso.

Também aqui, são visados os seguintes objectivos:

5. As acções desenvolvem-se em localidades onde existem secções locais/regionais com instalações próprias, que disponibilizam aos associados e docentes em geral os seguintes serviços:

Cada secção dispõe já de uma estrutura orgânica assente em dois órgãos - a Assembleia e a Direcção. Cabe à Direcção da secção a coordenação das actividades previstas em plano anual. À Direcção Nacional e ao Centro de Formação cabe o papel de coordenação e articulação nacionais, em função do seu objecto e das suas competências específicas.

Desenvolvem-se também em escolas/agrupamentos que recorrem, por sua iniciativa ou a solicitação dos respectivos docentes, ao Centro de Formação. 

6. A divulgação do Plano de Formação envolve as seguintes vertentes:

            Os meios de divulgação são prioritariamente os seguintes:

Correio ordinário

Correio electrónico

Newsletter da Associação

Portfólio a editar pelo Centro de Formação

Distribuição de desdobráveis aquando da realização de outras acções pela Associação

(Encontros, Simpósios, Fóruns e Conferências).

 


 

7. O recrutamento de formadores para o Centro de Formação é feito sob proposta dos interessados e/ou a convite do Centro de Formação, tendo presente as necessidades de formação detetadas

 

Cabe à Comissão Pedagógica do Centro de Formação apreciar e decidir sobre as propostas submetidas à sua apreciação.

8. Os critérios de selecção e admissão de formandos são os seguintes:

1º Completamento da formação do respectivo ciclo de avaliação

2º Associados

3º Todos os docentes interessados

9. A avaliação do plano de formação decorre em sede de Comissão Pedagógica, tendo por suporte, nomeadamente, a avaliação dos formandos, dos formadores e de avaliadores externos.

10. O acompanhamento da execução de cada acção é feito por um responsável (em regra um professor) em articulação com o Centro de Formação. Pontualmente, quer o Director do Centro, quer os membros da Comissão Pedagógica, quer ainda outros elementos que assessoram o Centro fazem acompanhamento directo da execução das acções.

11. A estrutura funcional do Centro de Formação é a seguinte:

12. A avaliação do impacto directo da formação disponibilizada pelo Centro de Formação Leonardo Coimbra aponta no sentido de um reforço sistemático de estratégias de formação mais direccionadas às necessidades do sistema, integrando rigor, qualidade e diferenciação de oferta formativa, potenciada através do estabelecimento de parcerias com escolas/agrupamentos e outras entidades directamente ligadas à formação inicial e contínua de docentes.

Em síntese, pretende-se que o Projecto de Formação do Centro de Formação Leonardo Coimbra integre uma oferta formativa fundamental para a melhoria das competências profissionais dos docentes em áreas e domínios que se consideram basilares para a promoção do sucesso educativo dos alunos, a concretização de uma escola inclusiva, inovadora e atenta aos valores de cidadania.

 

A Direção Nacional